Ultima atualização: 6 de outubro de 2021

So ziemlich jeder leidet mal unter einer Erkältung oder einer Grippe. Damit diese keinen schlimmeren Verlauf nimmt, oder nicht noch mehr Infektionen dazukommen, ist ein gesundes Immunsystem wichtig. Durch eine HIV-Infektion wird das Immunsystem geschwächt, ein fortgeschrittenes Stadium davon ist AIDS.

Im folgenden Beitrag erklären wir was mit dem Körper passiert, wenn man sich infiziert hat, und welche Symptome bei AIDS auftreten können. Außerdem gehen wir auf einige Behandlungsmöglichkeiten für AIDS näher ein. Dabei erklären wir das Vorgehen der jeweiligen Methode.




O mais importante

  • Bei einer HIV-Infektion wird das Immunsystem durch die HI-Viren geschwächt. Die Viren greifen die wichtigsten Zellen der Immunabwehr an und zerstören diese. Betroffene leiden somit unter einer Immunschwäche.
  • AIDS ist das fortgeschrittene Stadium einer HIV-Infektion. Hier ist das Immunsystem stark geschwächt, und kann sich deshalb nicht gegen andere Infektionen wehren. Somit ist der Körper anfällig für andere Krankheiten.
  • Durch Medikamente und Therapien kann die Krankheit und die Komplikationen, die durch AIDS auftreten, effektiv verringert werden. Die Immunsystemschwäche bleibt jedoch trotzdem vorhanden.

AIDS Symptome: Was du wissen solltest

Das Immunsystem hat die Aufgabe den Körper vor Infektionen, und dadurch vor Krankheiten zu schützen. Bei einer HIV-Infektion wird das Immunsystem angegriffen und massiv geschwächt.

Ein fortgeschrittenes Stadium der Infektion ist AIDS. Hierbei ist der Körper anfällig für Infektionen, da das Immunsystem diese nicht mehr abwehren kann. Somit gibt es eine Vielzahl an AIDS Symptomen, da diese durch andere Krankheiten ausgelöst werden.

Im Folgenden klären wir die wichtigsten Fragen zu den Symptomen von AIDS. Außerdem zeigen wir einige Behandlungsmöglichkeiten für HIV beziehungsweise AIDS auf.

Wie wird AIDS übertragen?

AIDS ist das fortgeschrittene Stadium einer HIV-Infektion. Der Virus wird durch Kontakt mit Schleimhäuten sowie auch durch den Kontakt mit entzündeten oder verletzten Hautstellen übertragen. (1, 2)

Eine Möglichkeit der Übertragung ist eine unfallbasierte Infektion im Medizin-Bereich. Diese kann durch Kontakt mit einem kontaminierten Gegenstand, wie zum Beispiel einem Skalpell verursacht werde. Es ist auch möglich, dass hier die Übertragung durch Kontakt mit einer Flüssigkeit, die das HI-Virus enthält, beispielsweise Blut, geschieht.

Um zu einer HIV-Infektion zu führen, muss der Kontakt an einer, wie oben schon beschrieben, entzündeten oder verletzten Stelle der Haut, oder an einer Schleimhaut sein. Die Übertragung im medizinischen Bereich stellt, jedoch nur die Minderheit dar, und kommt somit selten vor. (1)

Häufigere Wege der Übertragung sind Geschlechtsverkehr, oder bei Drogenkonsumenten, die ihre Spritzen und Nadeln tauschen.

Beim Geschlechtsverkehr (meist ungeschützt), wird das HI-Virus über die Schleimhäute übertragen. Demhingegen findet die Übertragung beim Tausch von Nadeln oder Spritzen durch direkten Kontakt mit dem Blut statt. (1)

HIV-Infektionen werden, jedoch nur selten, direkt nach der Übertragung diagnostiziert. Die Infektion wird häufig erst Monate, wenn nicht sogar Jahre nach der Übertragung festgestellt. Außerdem kann der Zeitraum von Übertragung bis zum Ausbruch von AIDS zwischen einem bis zu 20 Jahren variieren.

[cb_citation id="2"]

Was passiert mit dem Körper, wenn man AIDS hat?

Sobald man sich mit HIV infiziert hat, beginnt das Virus das Immunsystem zu schwächen. Denn HIV greift im Körper die CD4 T-Zellen an und zerstört diese. Jedoch sind diese Zellen die wichtigsten Organismen bei der Bekämpfung von Infektionen. Durch die Verringerung der CD4 T-Zellen im Körper wird das Immunsystem geschwächt und zerstört. (2, 3)

Das HI-Virus greif das Immunsystem an. (Bildquelle: Nik Shuliahin / unsplash)

Durch das schwache Immunsystem ist der Körper anfälliger für andere Infektionen, die dadurch eine häufige Begleiterscheinung von AIDS sind. Dabei handelt es sich um Infektionen, die bei einem gesunden Menschen, mit funktionierendem Immunsystem, keine Krankheiten auslösen würden. Da aber der Körper durch HIV, und die dadurch fehlenden CD4 T-Zellen, die Infektion nicht bekämpfen kann, entwickeln sich daraus Krankheiten. (2)

Was sind Symptome bei AIDS?

Die Symptome, die bei AIDS auftreten, werden durch das geschwächte Immunsystem verursacht. Da es nun anderen Infektionen leichtfällt, in den Körper einzudringen und Krankheiten auszulösen. Die folgenden Symptome können bei AIDS auftreten, müssen jedoch nicht unbedingt, da dies von Person zu Person unterschiedlich ist.

  • Fieber (4)
  • Muskel- und Gelenksschmerzen (4)
  • trockener Husten (2)
  • Durchfall (der länger als eine Woche anhält) (2)
  • schneller Gewichtsverlust (2, 3, 4)
  • Kopfschmerzen (3, 4)
  • wiederkehrendes Fieber oder starkes nächtliches Schwitzen (2, 4)
  • Ausschlag (4)
  • Flecken auf oder unter Haut sowie Augenlider, Mund oder Nase (2)
  • geschwollene Lymphknoten in der Achselhöhle, Hals oder Leiste (2)
  • weiße Punkte oder ungewöhnliche Flecken auf der Zunge, im Mund oder im Rachen (2)

Wie schon erwähnt, erlebt nicht jeder Infizierte die gleichen Symptome. Dies kommt vollkommen auf die Person selbst an. Außerdem treten bei manchen Personen bestimmte Symptome stärker auf als bei anderen.

Welche Symptome treten zuerst auf?

Auch hier hängt es von der jeweiligen Person ab. Es ist nicht möglich einen Katalog an Symptomen aufzustellen, die auf alle Betroffenen zutreffen. Jedoch lässt sich sagen, dass der Körper auf HIV reagiert, wie auf eine "normale" Virusinfektion.

Somit kann beispielsweise Übelkeit, Fieber, Schwellungen oder Rötungen auftreten, da der Körper versucht auf diese Art und Weise die Infektion in den Griff zu bekommen, und Sie zu bekämpfen. (2)

Aids Symptome

Fieber ist ein Anzeichen für eine Infektion, da der Körper versucht durch die erhöhte Temperatur die Infektion zu bekämpfen. (Bildquelle: Adriano Gadini/ Pixabay]

Naturalmente, nem todos experimentam os mesmos sintomas. Isto depende de como o corpo reage às infecções virais. Entretanto, como estes sintomas nem sempre são preocupantes, uma infecção pelo HIV muitas vezes não é notada, ou é notada tardiamente.

Como a AIDS progride após um surto?

A destruição dos linfócitos T CD4 e, portanto, o enfraquecimento do sistema imunológico, permite que o vírus HI se multiplique no corpo. Imunodeficiência significa que outras infecções podem danificar o corpo e desencadear doenças.

Essas doenças, desencadeadas por outras infecções, freqüentemente ocorrem junto com a AIDS. Assim, os sintomas da AIDS são frequentemente a propagação de outras doenças. (2, 5)

Um exemplo é a candida. Este é um fungo que causa manchas brancas na língua, na boca e na garganta. A infecção por leveduras não pode ser detida ou combatida porque o sistema imunológico está enfraquecido. Isto permite que a nova infecção se espalhe.

Como a AIDS já é um estágio avançado da infecção pelo HIV, o sistema imunológico está severamente enfraquecido. Portanto, o curso não tratado da AIDS é caracterizado por uma variedade de outras infecções e doenças.

Quais são os sintomas da AIDS e onde eles aparecem?

Como explicado acima, o corpo não pode se defender contra outras infecções. Como resultado, doenças se desenvolvem que levam a certos sintomas. A tabela a seguir mostra de forma tão abrangente quanto possível em quais partes do corpo os sintomas podem aparecer .

Parte do corpo sintomas
Pele propagação de lesões cutâneas, erupção cutânea, manchas sobre e sob a pele (2, 3)
Boca e garganta candidíase (manchas brancas na língua, na cavidade oral bem como na garganta), feridas na boca, boca seca, dor de garganta com dificuldade de engolir (2, 3, 4)
Sistema linfático Inchaço dos gânglios linfáticos, especialmente na axila, pescoço e virilha (2, 3, 4)
Braços e pernas Inchaço dos membros, dormência ou formigueiro nas mãos e pés, dores nas articulações e músculos (2, 3, 4)
Tracto gastrointestinal náuseas, vómitos, diarreia, cãibras abdominais, perda de apetite (2, 3, 4)
Olhos Perda de visão, visão desfocada (2)
Outros febre, suores nocturnos profusos, perda rápida de peso, perda de memória, perturbações neurológicas, fadiga, dores de cabeça (2, 3, 4)

.

Dependendo da pessoa, diferentes sintomas podem aparecer. Isso depende da pessoa. Além disso, os sintomas podem aparecer em diferentes velocidades ou intensidades.

Existem diferenças específicas de gênero nos sintomas da AIDS?

Poucas pesquisas têm sido feitas sobre diferenças específicas de gênero. Em estudos onde o gênero desempenhou um papel menor, pouca diferença foi encontrada entre homens e mulheres em termos de sintomas de AIDS.

As mulheres sofrem de fadiga severa com mais freqüência do que os homens. A dor crônica também é mais freqüente nas mulheres, assim como nas pessoas mais velhas. No entanto, até agora não há diferenças claras. (3)

Como a AIDS é tratada?

Para aliviar os sintomas da AIDS e reduzir os riscos da doença, há vários métodos de tratamento. A seguir, vamos discutir terapias com diferentes substâncias. Ao fazer isso, esclarecemos o modo de ação e os efeitos colaterais das substâncias ativas.

Um possível tratamento para a AIDS é a terapia com inibidores de transcriptase reversa de nucleósidos, ou NRTIs, para abreviar. Existem muitas NRTIs diferentes, mas todas elas têm o mesmo efeito. Eles param ou inibem a propagação do vírus da imunodeficiência humana. (2)

Você pode tomar apenas um NRTI em particular, ou uma mistura.

Se você escolher uma mistura de diferentes NRTIs, é possível tomar doses mais baixas mantendo a eficácia. Entretanto, as NRTIs têm uma série de efeitos colaterais, tanto a curto como a longo prazo. No entanto, estes variam dependendo da substância tomada. Entretanto, a toxicidade cumulativa continua sendo um risco com todas as NRTIs. A função da mitocôndria também está frequentemente em risco. (6)

Outra opção de tratamento é a terapia inibidora da protease. Esta substância interrompe a replicação do vírus em um estágio posterior ao das NRTIs. Novamente, há vários inibidores de protease. O uso desses agentes em combinação com a terapia anti-retroviral ( veja abaixo) mudou a infecção pelo HIV de um estado terminal para um estado mais controlável. (7)

Mas esses agentes também têm efeitos colaterais, e também há diferenças entre as várias substâncias. No entanto, todos os inibidores de protease têm efeitos colaterais que afetam o trato gastrointestinal. Também é possível desenvolver resistência aos inibidores de protease. (8)

Também há terapia com inibidores de entrada. Estes impedem que o vírus HI se conecte ou entre nas células. Esta terapia também evita que o vírus HI se multiplique. Aqui também, os efeitos colaterais variam muito dependendo da substância. (2)

No caso da terapia anti-retroviral, que já foi mencionada, o objetivo é evitar que os vírus HI se reproduzam, ou seja, evitar que se multipliquem. Para esta terapia, diferentes substâncias ativas que inibem a replicação são utilizadas em conjunto. Estes incluem inibidores de protease.

Este tipo de terapia é considerado muito eficaz na redução da taxa de replicação de vírus HI. O objetivo da terapia antiretroviral é reduzir o número de vírus HD no corpo de tal forma que a carga viral não possa mais ser detectada nos exames de sangue. (2)

A decisão sobre qual terapia a ser usada deve ser discutida com um médico. Depende não apenas se você quer uma terapia, mas também do progresso da infecção e que outros problemas de saúde existem.
Pode

curar a AIDS?

De acordo com o conhecimento médico atual, a AIDS não pode ser curada. Também ainda não existe uma vacina eficaz contra o HIV. Entretanto, é possível controlar a infecção por meio de terapias e várias substâncias ativas, tais como as listadas acima. O procedimento e a terapia escolhidos em cada caso individual devem ser decididos por um médico. (2, 5)

A detecção precoce da infecção é importante. Isto torna possível inibir a multiplicação do vírus no organismo em um estágio inicial e, ao mesmo tempo, apoiar o sistema imunológico. Para que o corpo não seja tão suscetível a novas infecções e possa combatê-las.

Sintomas de AIDS: Como posso prevenir a infecção?

Para evitar a infecção, você tem que prestar atenção a certas coisas. Em geral, é importante estar suficientemente informado sobre o assunto. Não se trata de fazer sem, mas de proteger a si mesmo e aos outros. A seguir, mostraremos o que você precisa prestar atenção e como você pode se proteger melhor contra a infecção pelo HIV.

AIDS na área médica

Graças a diretrizes rígidas, é quase impossível ser infectado na área médica na Alemanha. Entretanto, o manuseio de fluidos contendo HIV é uma ocorrência diária aqui. É por isso que é absolutamente necessário usar luvas de látex.

Mas não é apenas nas instalações médicas que pode ocorrer o contato com o sangue. Mesmo como socorrista em um acidente, há o risco de se infectar com o HIV ou outras doenças transmitidas pelo sangue, como a hepatite. Portanto, é essencial que você se assegure de ter uma proteção adequada. (9)

Aids Symptome

Ao manusear sangue ou outros fluidos contendo HIV, você deve sempre usar luvas para se proteger. (Fonte da foto: Luisella Planeta Leoni/ Pixabay)

Estúdios de tatuagem e piercing também podem ser incluídos aqui. Porque aqui, também, lidar com o sangue faz parte da vida cotidiana. Como no campo médico, aplicam-se diretrizes rigorosas que praticamente excluem a infecção. Ao trabalhar com clientes, o uso de luvas e talheres desinfetados é obrigatório.

Entretanto, mesmo como cliente, deve-se tomar cuidado para garantir que as luvas sejam usadas e que os itens utilizados estejam limpos e desinfetados. Se você se sentir desconfortável no estúdio e sentir que ele não está suficientemente limpo ou que os utensílios, como agulhas, não são suficientemente estéreis, você deve mudar de estúdio.

aids durante o sexo

Aqui é importante ressaltar novamente que não se trata de abstinência, mas de proteção. Especialmente se você mudar de parceiro sexual, você deve certificar-se de usar um preservativo ou um femidom (preservativo feminino). (10)

Além disso, as terapias e drogas acima mencionadas podem reduzir a carga viral, ou seja, o número de vírus HIV no sangue, de tal forma que ele é indetectável ou dificilmente detectável em um exame de sangue. Isto permite que um parceiro sexual HIV-negativo seja protegido. (9)

Entretanto, a abertura é importante. A infecção pelo HIV deve ser comunicada abertamente e o parceiro sexual deve ser informado e educado sobre ela. Desta forma, ambos os parceiros podem decidir como lidar com a situação e que tipo de proteção escolher.

AIDS no uso de drogas

O uso de drogas injetáveis acarreta um alto risco de infecção pelo HIV. Isto é especialmente verdade quando os usuários trocam agulhas e seringas uns com os outros. Ao usar drogas, é importante evitar a troca de parafernália de drogas com outros usuários de drogas. (9)

Ao usar a seringa ou agulha de outra pessoa, o sangue já preso ao equipamento de drogas entra na própria corrente sanguínea. As substâncias que já estão na agulha podem então entrar em seu próprio corpo. Isto significa que você pode se infectar rapidamente com o HIV, mas também é possível se infectar com outras doenças transmitidas pelo sangue.

Para evitar este risco, muitos centros de aconselhamento de medicamentos oferecem troca de seringas. Por um lado, é possível descartar com segurança seringas usadas ali. Por outro lado, você pode obter seringas novas e limpas lá por uma pequena taxa ou gratuitamente. Isso garante um certo nível de higiene ao usar drogas. Também reduz muito o risco de infecção.

AIDS information

Para prevenir o risco de infecção pelo HIV, é importante estar suficientemente informado. Portanto, o tópico de HIV e AIDS não deve ser abafado, mas suficientemente discutido.

Normalmente, estes tópicos são ensinados na escola. Entretanto, se isto não aconteceu ou não foi detalhado o suficiente para você. Você deve saber mais sobre isso. Porque você só pode se proteger se você souber disso.

Conclusão

AIDS é uma doença que não deve ser subestimada. Se você observar as regras de higiene e tomar medidas preventivas, você pode se proteger da infecção tanto quanto possível. A detecção precoce da infecção pelo HIV é importante para reduzir as complicações e os riscos da AIDS. Além disso, o tratamento da infecção é absolutamente necessário para fortalecer o sistema imunológico para que um curso grave de AIDS possa ser prevenido o melhor possível.

Se você acha que tem sintomas de AIDS e pode ter sido infectado pelo HIV por um longo tempo, você deve consultar um médico. Lá você pode ser testado e, se positivo, um plano de tratamento pode ser estabelecido imediatamente. A AIDS ou o teste de HIV-positivo não é uma sentença de morte.

A doença não pode ser curada, mas pode ser tratada efetivamente. As terapias podem reduzir muito os sintomas e os riscos da AIDS. É até possível, através de uma terapia bem sucedida, reduzir a carga viral ao ponto de ser pouco detectável ou indetectável no sangue.

Fonte da imagem: Alidrian/ 123rf

Referências (10)

1. Marcus, U. (2000): Risiken und Wege der HIV-Übertragung. Auswirkungen auf Epidemiologie und Prävention der HIV-Infektion, in: Bundesgesundheitsblatt - Gesundheitsforschung - Gesundheitsschutz 2000, 43: S. 449 – 458, Springer Verlag.
Fonte

2. UCSF Health, Infectious Diseas. AIDS.
Fonte

3. Lee, Kathrin A.; Gay, Caryl et al. (2009): Symptom Experience in HIV-Infected Adults: A Function of Demographic and Clinical Characteristics, in: J Pain Symptom Manage. 2009 Dec 38(6): S. 882–893, DOI: 10.1016/j.jpainsymman.2009.05.013.
Fonte

4. Hoenigl, Martin; Green Nella et al. (2016): Signs or Symptoms of Acute HIV Infection in a Cohort Undergoing Community-Based Screening, in: Emerg Infect Dis. 2016 Mar; 22(3): S. 532–534, DOI: 10.3201/eid2203.151607.
Fonte

5. Grützner, Eva; Draenert, Rika (2015): Immundefekt bei HIV, in: HIVandmore 2015 3.
Fonte

6. Vrouenraets, Saskia ME et al. (2002):Hyperlactataemia in HIV-infected patients: the roleof NRTI-treatment, in: International Medical Press 1 7: S. 239-244.
Fonte

7. Paterson, David L. et al. (2000): Adherence to Protease Inhibitor Therapy and Outcomes in Patients with HIV Infection, in: Annals of Internal Medicine, DOI: 10.7326/0003-4819-133-1-200007040-00004.
Fonte

8. Flexner, Charles (1998): HIV-Protease Inhibitors, in: The New England Journal of Medicine 338: S.1281-1293, DOI: 10.1056/NEJM199804303381808.
Fonte

9. nochvielvor.de
Fonte

10. aidshilfe.de
Fonte

Por que você pode confiar em nós?

Investigação científica
Marcus, U. (2000): Risiken und Wege der HIV-Übertragung. Auswirkungen auf Epidemiologie und Prävention der HIV-Infektion, in: Bundesgesundheitsblatt - Gesundheitsforschung - Gesundheitsschutz 2000, 43: S. 449 – 458, Springer Verlag.
Ir para a fonte
Artigo científico
UCSF Health, Infectious Diseas. AIDS.
Ir para a fonte
Investigação científica
Lee, Kathrin A.; Gay, Caryl et al. (2009): Symptom Experience in HIV-Infected Adults: A Function of Demographic and Clinical Characteristics, in: J Pain Symptom Manage. 2009 Dec 38(6): S. 882–893, DOI: 10.1016/j.jpainsymman.2009.05.013.
Ir para a fonte
Investigação científica
Hoenigl, Martin; Green Nella et al. (2016): Signs or Symptoms of Acute HIV Infection in a Cohort Undergoing Community-Based Screening, in: Emerg Infect Dis. 2016 Mar; 22(3): S. 532–534, DOI: 10.3201/eid2203.151607.
Ir para a fonte
Artigo científico
Grützner, Eva; Draenert, Rika (2015): Immundefekt bei HIV, in: HIVandmore 2015 3.
Ir para a fonte
Investigação científica
Vrouenraets, Saskia ME et al. (2002):Hyperlactataemia in HIV-infected patients: the roleof NRTI-treatment, in: International Medical Press 1 7: S. 239-244.
Ir para a fonte
Investigação científica
Paterson, David L. et al. (2000): Adherence to Protease Inhibitor Therapy and Outcomes in Patients with HIV Infection, in: Annals of Internal Medicine, DOI: 10.7326/0003-4819-133-1-200007040-00004.
Ir para a fonte
Investigação científica
Flexner, Charles (1998): HIV-Protease Inhibitors, in: The New England Journal of Medicine 338: S.1281-1293, DOI: 10.1056/NEJM199804303381808.
Ir para a fonte
A prevenção do VIH não significa renúncia, mas protecção
nochvielvor.de
Ir para a fonte
Sexo mais seguro
aidshilfe.de
Ir para a fonte
Resenhas