Ultima atualização: 23 de abril de 2020

Como escolhemos

8Produtos analisados

15Horas investidas

3Estudos avaliados

75Comentários coletados

Olá, bem-vindo ao Guia de Bem Estar. Hoje, falaremos sobre bateria infantil. Já está mais do que comprovado os benefícios da prática musical por crianças: foco, coordenação motora, disciplina, criatividade… A lista de benefícios é extensa e seu incentivo é super recomendado, na hora certa.

Na maioria das vezes, porém, ele nem é necessário, especialmente quando falamos de baterias. Crianças têm um fascínio por elas que é difícil encontrar em outros instrumentos, pelo seu tamanho, pela simplicidade – uma batida, um som – e até pelo movimento corporal do baterista.

Por ser um instrumento complexo, mesmo para crianças, com muitas peças e componentes, escolher um set para os pequenos pode ser uma tarefa complicada Com este Guia, ela fica mais fácil. Elencamos os melhores modelos e explicamos tudo o que você precisa saber antes da compra. Então role abaixo e entre no ritmo!

Primeiro, o mais importante

  • A idade da criança é muito importante, assim como sua altura. Elas vão ditar o tipo e o tamanho dos conjuntos a serem escolhidos.
  • Há tantos modelos de brinquedo como profissionais. Eles são indicados para idades e usos bastante diferentes.
  • Os preços variam bastante, entre R$ 50 e R$ 600, então uma pesquisa aprofundada sobre o modelo certo é super indicada.

Melhores sets de bateria infantil: Nossas favoritas

Se você busca presentear uma criança com uma bateria infantil, está no lugar certo. Listamos alguns dos melhores sets de bateria infantil, analisando seus componentes, seu material e seu custo-benefício.

Bateria infantil para os fãs de rock

A bateria infantil Rock Party da DM Toys, certificada pelo Inmetro, é recomendada para crianças acima dos seis anos. Seu design inspirado no rock pode ajudar a despertar no pequeno o amor por esse gênero musical. São 2 tambores pequenos e 2 médios, 2 baquetas, banco, suporte, bum, prato e pedal. Ou seja, esse brinquedo, de 51cm de altura, é completo e vai fazer da criança uma verdadeira estrela do rock!

Bateria infantil para quem ama Hot Wheels

A bateria infantil Hot Wheels é o modelo ideal para os pequenos que gostam de música e também amam essa marca. Com bumbo, prato, banco, dois tons e duas baquetas, esse brinquedo desmontável ajuda a desenvolver as habilidades motoras. A bateria da Hot Wheels é recomendada para crianças a partir dos 3 anos de idade.

Bateria infantil com ótimo custo benefício

A bateria infantil Art Brink é um modelo com ótimo custo benefício para crianças acima de três anos. Certificada pelo Inmetro, mede 15x43x42cm e pesa pouco mais de dois quilos. É ideal para quem não quer investir muito, mas ainda assim ver seu pequeno dar os primeiros passos nesse instrumento.

Guia de Compra

Apesar de ser um produto para crianças, pode ser complicado escolher uma bateria infantil. Principalmente por seus diversos componentes e diferenças entre os materiais.

Mostramos, neste Guia de Compras, as informações que você precisa para pensar no melhor modelo.

Imagem mostra uma criança sorrindo segurando baquetas sentado em frente a uma bateria.

A iniciação musical para crianças pode ser muito frutífera para seu aprendizado.
(Fonte: phaitoon/ 123RF)

O que é a bateria infantil?

A bateria é um instrumento musical baseado no conjunto de tambores e pratos, entre outros elementos percussivos, dispostos estrategicamente de maneira a serem interagidos pelo seu único operador, o baterista.

Estes tambores – recipientes com membranas ou peles esticadas que produzem som a partir de uma batida – e pratos – peças de metais com propriedades acústicas, que também interagem a partir do impacto – eram tocadas separadamente em orquestras e big bands até o início do século passado.

Mais precisamente em 1910, foi inventado o pedal, que permite acionar as peças percussivas com os pés com a mesma eficiência das mãos.

O advento alterou a lógica da percussão, já que permitia a uma só pessoa tocar, no mínimo, três elementos ao mesmo tempo, com um pedal em cada pé e pelo menos um com as mãos. Estava idealizado o primeiro set (“conjunto”, em inglês) de bateria.

Imagem mostra um pedaço de um conjunto de bateria, com o chimbal e os pratos em evidência no lado esquerdo. Na direta, uma silhueta de um baterista tocando o instrumento.

Apesar da variedades de conjuntos, há um set convencionado como básico. (Fonte: Pixabay from Pexels/ Canva)

Daí para frente, os sets foram se moldando à revelia de inovações tecnológicas, estilos e gêneros musicais, e até do gosto e técnica dos bateristas, com mais ou menos tambores, pratos e etc.

Ainda assim, convencionou-se um set básico, presente em praticamente todas as baterias, contendo:

  • 1 máquina de chimbal;
  • 1 caixa;
  • 1 bumbo com pedal;
  • 2 tons, quando não 3, com o surdo;
  • Pelo menos 1 prato, de ataque ou condução.

O primeiro modelo com os primórdios deste conjunto foi lançado em 1940. De lá até aqui, a bateria se popularizou massivamente entre profissionais e amadores, a ponto de se tornar básico para a grande maioria das bandas.

Daí para um modelo infantil foi um pulo. Por se tratar de um instrumento de funcionamento simples, de fácil compreensão, tornou-se um sucesso entre pais que desejam introduzir seus filhos à música e também entre as próprias crianças, fascinadas pelos movimentos do baterista e pelo barulho que podem produzir facilmente.

A adaptação prática e mercadológica se baseou na diminuição do tamanho e altura dos elementos, na simplificação dos conjuntos, na adequação do material para o uso e segurança da faixa etária e até os resultados esperados (qualidade do timbre, volume).

Além do mais, a bateria infantil é um dos instrumentos mais indicados para a iniciação musical e para o aprendizado em geral.

Quais as vantagens e desvantagens da bateria infantil?

Fora a fácil compreensão pela criança – o que aumenta o seu interesse, e por consequência seu engajamento – a bateria ajuda em várias frentes do crescimento infantil: desenvolvimento cognitivo, sensorial e motor.

Do seu estudo, há melhoras comprovadas na atenção, retenção de informações e na concentração; da sua prática, a melhora na coordenação motora, tanto a ampla como a fina, fora o estímulo aos ouvidos.

No tocante à teoria musical, a bateria é muito importante para a compreensão dos conceitos de tempo e de ritmo.

Imagem mostra um bebê em cima de um tapete, brincando com um xilofone, à sua esquerda, e um pandeiro, à sua direita, os dois de brinquedo.

Mesmo com inúmeros pontos positivos, o estímulo à prática musical tem de ser feito na hora certa. (Fonte: the danw/ Pixabay)

Por outro lado, os conjuntos têm um potencial de serem grandes dores de cabeça. Primeiro, o barulho que produzem: naturalmente de grande volume, seja para os pais dos pequenos bateristas, seja para seus vizinhos.

Depois, se o barulho for realmente um grande problema, vem estrutura, sendo necessário um cômodo só para a bateria, fora o investimento em isolamento acústico.

Há ainda a difícil manutenção, seja pelas diversas peças, seja pela própria dinâmica do instrumento, de pancadas e batidas, que encurtam a vida útil de seus componentes.

Por fim, a praticidade, pelo seu tamanho e pela quantidade de componentes, que tornam o seu montar e desmontar um tanto “chatos”.

Vantagens
  • Fácil compreensão pela criança
  • Ajuda o desenvolvimento da criança
  • Introduz à conceitos da teoria musical
Desvantagens
  • Pouco prática
  • Difícil manutenção e estrutura
  • Muito barulho

Devo comprar uma bateria infantil profissional ou de brinquedo?

Como o termo “infantil” trata de uma faixa etária grande, ou pelo menos em que ocorrem grandes transformações, há uma divisão entre as baterias dentro deste segmento, entre profissionais e de brinquedo.

As de brinquedo, como é de se imaginar, são pensadas para crianças bem pequenas, a partir dos três anos – idade mínima recomendada para um pequeno estímulo à prática musical – até entre seis e sete anos, um pouco antes da molecada começar a ter mais tamanho, envergadura e coordenação motora.

Os modelos deste tipo costumam a ser de plástico, de modo à serem mais resistentes a quedas e principalmente mais seguros. Dessa maneira, podem ser mais baratos, o que é melhor para um produto que não será usado por muito tempo.

Outra característica é a ausência dos elementos a serem tocados com os pés, para não se tornarem muito complexos para os pequeninos, fora que um pedal de plástico não é exatamente eficiente.

Imagem mostra um pequeno tambor de brinquedo, com duas baquetas repousando em cima da pele do instrumento.

Apesar de mais simples, as baterias de brinquedo podem ser bastante úteis. (Fonte: Efraimstotcher/ Pixabay)

Nas chamadas baterias profissionais infantis, por outro lado, a adaptação está simplesmente no tamanho. Elas são indicadas para crianças acima de sete ou oito anos, idade em que seu corpo e coordenação já estão mais desenvolvidos e que o estudo do instrumento já está “liberado”.

Até por isso, os modelos deste tipo já contam com bumbo e, nos melhores, a máquina de chimbal. Praticamente todos eles contam com pelo menos um prato e até três tons, sem, no entanto, extrapolar na quantidade, respeitando o tempo de aprendizado.

Imagem mostra um menino tocando bateria

A bateria infantil profissional é indicada para crianças a partir de 7 anos. (Fonte: Georgy Dzyura / 123RF)

Seus materiais são iguais ao de gente grande: peles específicas para o instrumento, suportes e conectores de metais e recipientes de madeira, ainda que sem muita atenção ao material em si, já que a qualidade dos timbres ainda não é uma prioridade.

Não há um limite de idade específico para seu uso, mas entre os 12 e 14 anos, a bateria infantil pode já não ter as medidas certas para o tamanho do baterista mirim, ou até acompanhar o seu desenvolvimento musical.

Bateria infantil acústica ou eletrônica?

Seguindo a tendência de fabricantes com muitos instrumentos, a bateria ganhou uma versão eletrônica.

Ela simula a disposição da versão normal, ou acústica, mas ao invés de peles e pratos, têm pads, superfícies revestidas de borracha com sensores de impacto acoplados, que produzem um som gravado e correspondente ao elemento que simula no conjunto.

Esses modelos atendem às demandas práticas e estruturais, sendo muito mais compactas e resolvendo o problema do barulho com a possibilidade de plugar um fone de ouvido.

Por outro lado, não são lá muito enriquecedoras no sentido do aprendizado do instrumento em si, devido às suas proporções diferentes do modelo acústico, além de não oferecer a experiência completa da bateria.

Em outras palavras: as chances são grandes da criança eventualmente querer a versão acústica, e, se assim for, a adaptação não será tão fácil, o que pode até acarretar em uma perda de interesse no instrumento.

Pensada, no entanto, para crianças menores, ela pode ser uma boa pedida. Versões de brinquedos são ainda menores, costumam a ter a opção de personalizar os sons, que seguramente são de maior qualidade que os de brinquedo e podem ainda prender a atenção dos pequenos por mais tempo.

Bateria Eletrônica Bateria Acústica
Praticidade Compacta, uma grande peça Grande e com vários componentes
Aprendizado Com ressalvas Completo
Barulho Silencioso com o fone de ouvido Alto volume sem isolamento

O que compõe uma bateria?

Tomamos aqui o tempo para explanar rapidamente o que são cada um dos componentes do set básico da maioria das baterias, de adulto ou de criança.

  • Máquina de chimbal: Dois pratos dispostos paralelamente na horizontal, que se colidem ao acionar seus pedais, ligados por um suporte vertical. Podem ser tocados com as baquetas, ao mesmo tempo.
  • Caixa: Tambor com peles nas duas extremidades do recipiente, sendo que a de baixo têm contato com uma fina esteira de metal, que produzem o som chiado quando a pele de cima recebe um impacto.
  • Bumbo: Tambor cilíndrico também de duas peles. Bem maior que a caixa, ele fica apoiado no chão, sendo acionado por um pedal e produz um som grave e seco.
  • Tons e surdo: Tambores de duas peles que produzem sons melódicos e mais ou menos agudos, dependendo do seu tamanho. O surdo é um tipo de ton, maior e com o som o mais grave possível para este tipo de tambor.
  • Prato: Discos mais ou menos convexos, produzem som ao vibrar a partir do contato com as baquetas. Ficam dispostas acima dos tambores. Sua curvatura dita o seu uso, para um “ataque”, um “crash” ou para condução.
 Imagem mostra uma bateria, com foco no centro, na caixa e nas baquetas do baterista.

O chimbal e o bumbo são itens essenciais para um conjunto de baterias infantis profissionais. (Fonte: Josh Sorenson/ Pexels).

Quanto custa uma bateria infantil?

Por conta da divisão entre as baterias infantis de brinquedo e as profissionais, a faixa de preço é bastante grande, variando entre R$ 50 e R$ 600.

Objetivamente falando, são seus materiais que diferenciam o seu preço, sendo os mais baratos feitos de plástico e os mais caros de madeira, com acabamento em metal. Entre os mesmos tipos de bateria, a variação costuma a ser pela quantidade tambores, pratos e etc.

Onde comprar uma bateria infantil?

Lojas físicas de instrumentos musicais, como a PlayTech e Made In Brazil, contam com vendedores especializados que podem te indicar os melhores modelos. Além do mais, é possível (e saudável) levar as crianças, para que mostrem seus gostos.

Para, no entanto, uma maior variedade de modelos, preços e até cores, lojas online como a Amazon e Mercado Livre, além das versões digitais das citadas acima, devem atender a sua demanda. Comprando online você encontra também as melhores ofertas.

Critérios de Compra: Fatores para comparar os modelos de bateria infantil

Abaixo, listamos os elementos que devem ser pensados como critérios na hora de escolher o conjunto de bateria infantil mais adequado para você e sua criança:

Explicamos, então, cada critério, de um a um, para que possa realizar a melhor compra.

Idade e tamanho da criança

Antes de tudo, tenha em mente a idade e o tamanho da criança. Essas informações são essenciais para escolher o tipo de bateria, entre de brinquedo e profissional, e o modelo mais adequado.

Para crianças muito mais novas, entre os três e sete anos de idade, baterias de brinquedo são as mais indicadas, adaptadas ao tamanho e adequadas às medidas de segurança para esta faixa etária.

As da variedade eletrônica também são bem indicadas para esta faixa etária, pelas suas medidas e vida útil, mais compactas e duráveis que as acústicas de brinquedo.

Dos sete anos em diante, é o tamanho da criança que impera. Baterias com bancos, pedais e suporte da caixa são os mais indicados, mas via de regra, olhe para o diâmetro do bumbo.

Com bumbos muito grandes, os demais tambores que se suportam nele podem ficar mais difíceis de tocar. As medidas de 18 e 20 polegadas devem ser suficientes para a maioria, enquanto de 22 polegadas são melhores para crianças maiores.

Material das peças

Visto que os modelos de brinquedo são, em sua maioria absoluta, feitos de plástico, este critério é mais válido para baterias infantis profissionais.

Prioritariamente, prefira recipientes dos tambores feitos em madeira. Dentro desse quesito, quanto melhor a madeira, mais nítido será timbre dos tambores, porém mais pesado será o conjunto.

Nos acabamentos e peças, como conectores e suportes, a questão é resistência. O metal, obviamente, oferece maior resistência e vida útil que o acrílico.

Imagem mostra uma pele de bateria remendada, com um par de baquetas de madeira repousando sobre ela.

Os materiais têm de ser resistentes numa bateria, especialmente a do tipo profissional. (Fonte: Jure Širić from Pexels/ Canva)

Conjunto

Independentemente do tipo da bateria, o seu conjunto, sua configuração, é um critério relevante. Para as de brinquedo, mais tambores significam maior variedade, mais combinações, mais diversão.

Nas profissionais, um bumbo é imprescindível e o chimbal um diferencial. Os dois são a base para a condução do tempo e do ritmo para a maioria dos gêneros musicais.

No mais, a regra da variedade vale aqui também: mais tons, mais pratos, mais possibilidades, sempre respeitando o desenvolvimento motor e a capacidade da criança, cuidando para não deixar o instrumento mais difícil e menos interessante.

Se o pequeno baterista estiver em um estágio mais avançado, vale também olhar para o estilo de músicas que preferem. Há modelos com sets específicos para jazz, rock, reggae, e por aí vai

Pintura e design

A bateria é também um item estético. Muitas baterias infantis (e de gente grande também) costumam a ficar dentro dos quartos e salas e pedem designs e acabamentos mais agradáveis.

Além disso, os pequenos costumam ter sua atenção capturada por objetos coloridos e cheios de gravuras.

Se a criança então não teve a oportunidade de escolher o modelo de seu gosto em alguma loja, considere levar um modelo colorido, com uma pintura chamativa ou com desenhos bonitos, esses principalmente nas peles do bumbo, local clássico.

(Fonte da imagem destacada: danramirez/ Pixabay)

Por que você pode confiar em mim?

Professora do Ensino Fundamental nas redes pública e particular, Natália tem experiência de sobra para saber o que faz as crianças felizes e o que lhes incomoda. Além dos pequenos, ela também é apaixonada pelas palavras. Na internet, une as duas paixões e escreve sobre o curioso universo dos pequenos.