cólica intestinal
Ultima atualização: 28 de junho de 2021

A cólica intestinal pode pegar qualquer pessoa de surpresa. Ela pode ter origem na má alimentação, no sedentarismo e, sobretudo, ser fruto de uma condição clínica específica, como o cólon irritável. Mas, com pequenas mudanças, há como evitar a repetição desse desconforto.

Pensando nisso, elaboramos este material com informações sobre as causas da cólica intestinal, os fatores associados a ela e como evitar a repetição de episódios, com dicas de suplementos que podem fortalecer seu organismo contra as crises. Siga com a gente.




O mais importante

  • A cólica intestinal está diretamente ligada aos maus hábitos alimentares, mas também pode ser causada por doenças crônicas como a Doença de Crohn e a Síndrome do Intestino Irritável.
  • A dor da cólica intestinal é caracterizada por movimentos em forma de ondas intensas, provocadas pela contração e distensão das paredes do intestino.
  • Para evitar novos episódios de cólica intestinal é fundamental recorrer a ajuda médica para o diagnóstico preciso das causas

O que é preciso saber sobre a cólica intestinal

Todo mundo já passou por essa indesejável experiência pelo menos uma vez na vida. A cólica intestinal traz uma dor incômoda e ainda a sensação de inchaço e peso abdominal. Nesta seção, vamos mostrar por que ela acontece e como evitá-la. Acompanhe.

O que é cólica intestinal?

A cólica intestinal é caracterizada por uma dor em ondas, provocada pela contração e distensão das paredes do intestino. Este movimento é comum no órgão, mas quando ele está sobrecarregado, a intensidade aumenta e faz com que a contração seja percebida.

Em geral, esse tipo de cólica está relacionada aos maus hábitos alimentares, mas ela também pode ser indicadora de outras condições que merecem atenção médica.

Cólica intestinal

A cólica intestinal está ligada aos maus hábitos alimentares, mas também pode ser causada por doenças crônicas. (Fonte: Petr Kurgan / 123rf.com)

Por que a cólica intestinal ocorre?

Como dissemos há pouco, a cólica intestinal está ligada à sobrecarga do intestino, aliada a má regulação da flora intestinal. Com o trânsito mais lento, é comum que o órgão precise de mais força para completar o processo da digestão.

Essa condição pode estar associada a situações pontuais, como a ingestão de alguns alimentos específicos, ou a condições crônicas. É sobre cada um desses fatores que vamos falar a partir de agora.

Maus hábitos

Quando não envolve doenças intestinais, o que é o mais comum, a cólica surge a partir dos maus hábitos diários. Isso envolve desde a falta de atividades físicas, até a má alimentação e baixa ingestão de líquidos.

Dietas com baixa ingestão de gordura e com quantidades e horários controlados, como a dieta cetogênica, podem ajudar no alívio dos sintomas.

Márcio FontesGastroenterologista do Hospital Rede D’Or
"Essas práticas favorecem a prisão de ventre, constipação e produção de gases, forçando o intestino a contrair e distender mais vezes."

Doença de Crohn

Essa doença pode se esconder por trás de episódios de cólicas intestinais. Neste caso, a crise é acompanhada por diarreia contínua, com a presença eventual de sangue nas fezes.

Em pessoas com essa patologia, é comum a perda de peso e de apetite. Por ser uma doença crônica e debilitante, é imperativo contar com o acompanhamento de um profissional especializado.

Síndrome do Intestino Irritável

A Síndrome do Intestino Irritável (SII) é outra doença comum em pessoas com cólica intestinal de repetição. Esse distúrbio intestinal ainda não tem causas totalmente definidas, mas sabe-se que está fortemente ligado aos hábitos alimentares.

Pacientes acometidos pela SII costumam ter cólica intestinal com dor na barriga, gases, diarreia ou constipação. Neste caso, vale contar com produtos como o carvão ativado para melhorar o trânsito intestinal.

Intolerância alimentar

Pessoas com alergias ou intelerância ao gluten e à lactose, por exemplo, podem sofrer repetidamente com a cólica intestinal. Nestes casos, apenas o diagnóstico especializado será capaz de determinar qual é o tipo de restrição. Feito isso, o médico vai orientar o paciente sobre novos hábitos para uma vida sem crises.

cólica intestinal

Para evitar novos episódios de cólica intestinal é fundamental recorrer a ajuda médica para o diagnóstico preciso das causas. (Fonte: Olga Yastremska/ 123rf.com

Como evitar a cólica intestinal?

Ainda que esteja relacionada a algumas doenças, há pequenas mudanças que podem ajudar a diminuir a incidência da cólica intestinal. Por isso, recomendamos que você adote as seguintes atitudes no seu dia a dia:

  • Coma porções menores em intervalos mais frequentes - o ideal é fazer cinco refeições menores a cada três ou quatro horas;
  • Reduza a quantidade de comidas gordurosas - diminua a ingestão de manteiga, margarina, molhos cremosos e carne de porco;
  • Diminua o consumo de leite ou produtos derivados do leite - essa mudança é especialmente válida para quem tem intolerância à lactose. Nestes casos, vale ingerir lactase separadamente, em suplementos nutricionais;
  • Pratique atividades físicas - se a rotina está corrida, você pode escolher exercícios para fazer em casa mesmo. O importante é se movimentar!

Conclusão

A cólica intestinal se repete todos os dias na vida de milhares de pessoas ao redor do mundo. E evitar a ocorrência de novas crises requer o disgnóstico das causas, para tratar a doença e mudar hábitos, prevenindo outros episódios semelhantes. Foi isso que procuramos mostrar ao longo desse artigo.

Aqui, falamos sobre as causas mais conhecidas da cólica intestinal — que vão desde a alimentação desregrada e a falta de atividades até condições como doenças e intolerância alimentar — e destacamos a importância do atendimento médico.

Deixamos dicas de produtos naturais que podem fortalecer a flora intestinal e facilitar a sua digestão. Esperamos que nosso material possa te ajudar, trazendo mais saúde e qualidade de vida. Muito obrigado, até mais.

(Fonte da imagem destacada: chajamp / 123rf.com)

Por que você pode confiar em mim?

Resenhas